Logística Reversa

A logística reversa é de acordo com a Política Nacional de Recursos sólidos (lei 12.305 de 02/08/2010) “um instrumento de desenvolvimento econômico e social caracterizado por um conjunto de ações, procedimentos e meios destinados a viabilizar a coleta e a restituição dos resíduos sólidos ao setor empresarial, para reaproveitamento, em seu ciclo ou em outros ciclos produtivos, ou outra destinação final ambientalmente adequada”.

De acordo com o Governo, a meta era ter a logística reversa implantada toda em 2015 para os seguintes itens: pneus; pilhas e baterias; embalagens e resíduos de agrotóxicos; lâmpadas fluorescentes, de mercúrio e vapor de sódio; óleos lubrificantes automotivos; peças e equipamentos eletrônicos e de informática; e eletrodomésticos (geladeiras, fogões, micro-ondas, freezers, etc.).

Na realidade, várias empresas começaram a implantar a logística reversa, mas por outro lado, muitas ainda nem conhecem o tema logística reversa. Para que a implantação da logística reversa tenha êxito é necessário que cada uma das partes (consumidores, comerciantes, indústrias e governo) cumpra as suas funções estabelecidas.

Um exemplo a ser seguido pelas empresas é o da Adidas que lançou o programa Pegada Sustentável 2.0 que chega a mais de 40 lojas da marca em todo o Brasil, recolhendo itens que vão de roupas a chuteiras. Além da reciclagem, materiais podem servir para reuso ou geração de energia.